Pastor sequestrado por assaltantes diz que sobreviveu por “um milagre de Deus”


Líder religioso Joel Holder fala do serviço a Deus, de política, de corrupção e de fé

Nascido e criado em Porto Velho, pastor Joel Holder é um líder religioso reconhecido e respeitado pelo seu comportamento.

Nascido e criado em Porto Velho, pastor Joel Holder é um líder religioso reconhecido e respeitado pelo seu comportamento.

Já diz o ditado “o hábito não faz o monge”, então se engana quem vota em político considerando sua mera conduta religiosa, pelo menos é que pensa o pastor Joel Holder, presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Porto Velho e um dos líderes evangélicos de maior prestígio e renome em Rondônia, com atuação inclusive no exterior.

Ele confirma o que muitos já têm dito, “o fato de o político ser evangélico não o livra da tentação do dinheiro nem o exime da corrupção”, a revelação do líder religioso ao repórter Carlos Araújo para a Entrevista da Semana do Tudorondonia.

Aos 77 anos, esse rondoniense filho de barbadianos que veio trabalhar na construção da Estrada de ferro Madeira-Mamoré, nascido na antiga Vila Caiari, pastor Joel Holder é considerado homem de muita prudência, respeitado por todos que lhe conhecem e honrado por toda a Igreja que preside, sendo um exemplo aos fiéis. Durante toda sua vida de crente (nasceu em lar cristão) tem demonstrado ser fiel a Deus e leva uma vida espiritual que serve de exemplo até mesmo aos mais velhos na fé.

Descendente de barbadianos com ascendência inglesa, o pastor Joel Holder nasceu em Porto Velho e, antes de ser pastor, trabalhou como bancário, no Banco do Brasil, época em que sofreu o que ele chama de o grande milagre da vida dele. Seqüestrado junto com outros três funcionários do banco e com suas respectivas famílias, o líder religioso foi poupado do que poderia ter sido sua morte e percebeu que precisava se dedicar mais a Deus.

O pastor lidera uma das maiores congregações cristãs de Porto Velho, a Assembleia de Deus, designação religiosa que chegou ao Brasil por intermédio dos missionários suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, que aportaram em Belém, capital do Estado do Pará, em 19 de novembro de 1910, vindos dos Estados Unidos.

Os missionários suecos traziam a doutrina do batismo no Espírito Santo, com a glossolalia — o falar em línguas espirituais (estranhas) — como a evidência inicial da manifestação que já vinha ocorrendo em várias reuniões de oração nos Estados Unidos e também de forma isolada em outros países, principalmente naquelas que eram conduzidas por Charles Fox Parham, mas teve seu apogeu inicial através de um de seus principais discípulos, um pastor leigo negro, chamado William Joseph Seymour, na rua Azusa, Los Angeles, em 1906.

“Deus criou o homem e lhe deu o livre arbítrio. Por isso muitos escolhem o caminho errado”, diz o pastor

Foi esse falar em línguas estranhas que levou pastor Holder a crer que Deus o protegeu durante o assalto ao Banco do Brasil para que ele pudesse vir a ser o líder religioso que é hoje. Adepto moderado do ecumenismo e comunicador por natureza, o pastor já ministrou cultos ao lado de representantes de outras religiões e não discrimina quem busca a Deus, mesmo que por outros dogmas. O lado da comunicação é usado na apresentação de um programa na Rádio Boas Novas, através do qual dá orientações religiosas aos membros de sua e de outras igrejas, sempre tendo como pano de fundo o texto bíblico.

O pastor Joel Holder conta que sempre foi muito caseiro, não concluiu o curso superior e fez poucas, mas sinceras, amizades. “Recentemente estive em Paris, França, e reencontrei um amigo, Mauricio José Bustani, nascido em Guajará-Mirim, que atualmente é embaixador do Brasil em Paris”.

Casado com a professora Linduína, também muito conhecida no meio educacional, pastor Holder tem três filhos, e se orgulha de dizer que estão todos formados, uma em administração, outra em bioquímica e o filho, formado em farmácia, cursa o quarto ano de medicina. Ele também se orgulha de dizer que tem dois netos, um menino e uma menina.

Um fato curioso da vida do pastor Joel Holder é que, apesar de ser de uma família religiosa, seu pai foi presidente da antiga casa de bailes noturnos “Danúbio Azul”, que atraia muitos casais em noites de festas. Tendo a mãe como exemplo maior, Holder seguiu seus passos na religião e ingressou no ministério, já tendo exercido várias funções na igreja que agora é pastor presidente, a Assembleia de Deus de Porto Velho.

Indagado sobre a situação do ex-deputado Valter Araújo, membro da Assembleia de Deus, eleito pedindo votos aos irmãos e que depois de eleger-se presidente da Assembleia Legislativa teve o mandato cassado e está preso acusado de liderar uma quadrilha que se organizou para roubar recursos públicos da saúde, o pastor Joel Holder, assegura que, apesar da condenação dada ao ex-parlamentar, ainda pode haver muito a se descobrir e isso só Deus fará. “Se ele (Valter Araújo) for o errado, então sua punição é justa e ele deve cumprir a pena que lhe for imposta, mas senão, outra pessoa receberá a justiça divina”. Pastor Joel Holder afirma que ora para que Valter se reencontre com Deus e que volte a trilhar os caminhos dos desígnios do Senhor.

Como estamos numa época de muita reflexão religiosa, de introspecção e incessante busca por Deus, nada mais plausível que abrilhantar os leitores dessa coluna com uma entrevista exclusiva com um dos maiores líderes religiosos de Rondônia, pastor Joel Holder.

Confira a entrevista realizada:

Leia Na Integra

Anúncios

Deixe seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s